Faria de Vasconcelos

Available actions

Reader available actions

 

Faria de Vasconcelos

Description details

Document not available to perform requests.

Description level

Fonds   Fonds

Reference code

PT/MESG/APA/FV

Title type

Atribuído

Production dates

1915  to  1976 

Dimension and support

10 cx., papel

Extents

1.6 Metros lineares

Holding entity

Secretaria-Geral do Ministério da Educação e da Ciência

Producer

António de Sena Faria de Vasconcelos Cabral Azevedo

Biography or history

António de Sena Faria de Vasconcelos Cabral Azevedo (1880-1939) era filho de Luís Cândido de Faria e Vasconcelos - Delegado do Procurador Régio na comarca de Castelo Branco, que viria a ser juiz em diversas comarcas, chegando à Relação e ao Supremo Tribunal de Justiça - e de Maria Rita Sena Belo de Vasconcelos, pianista, filha do conselheiro Simão Pedro de Sena Belo.Fez os estudos secundários num colégio dirigido pelos Padres do Espírito Santo, matriculando-se depois na Faculdade de Direito de Coimbra, onde se torna bacharel, em 1901. Passa do Direito às questões filosóficas e depois à psicologia. Parte para a Bélgica em 1902 e aí faz o doutoramento em Ciências Sociais, na Universidade Nova de Bruxelas, com a maior distinção, defendendo a tese Esquisse d’une théorie de la sensibilité sociale. Não regressa então a Portugal. Permanece na Bélgica, até 1914, na qualidade de professor exercendo, na Universidade Nova de Bruxelas, a sua atividade docente na área da psicologia e pedagogia e desenvolvendo investigação como assistente de laboratório e Guilherme de Greef. A eclosão da I Grande Guerra obriga Faria de Vasconcelos a abandonar a Bélgica e a iniciar um novo ciclo da sua vida na Suíça. Bem acolhido no seio do movimento das Escolas Novas, integra-se rapidamente nas suas instituições basilares de formação, organização, divulgação e investigação a funcionarem em Genève: chegado em Agosto de 1914, logo nesse ano letivo abraça a docência das Ciências da Educação no Instituto Jean-Jacques Rousseau, sendo também assistente no Laboratório de Psicologia Experimental dirigido por Claparède, além de secretário do Bureau International des Écoles Nouvelles. É no âmbito destes projetos, animados pela inovação educacional e pela experimentação pedagógica das teorias científicas, que Faria de Vasconcelos, nos primeiros meses de 1915, dá a conhecer o trabalho concretizado na École de Bierges-les-Wavre. Fá-lo através de uma série de conferências que estão na origem do livro Une école nouvelle en Bélgique, com prefácio de Ferriere, editado em 1915 e integrado numa coleção promovida pelo Instituto Jean-Jacques Rousseau e pela Sociedade Belga de Pedotecnia, intitulada “Actualidades pedagógicas”. Atenda-se que Faria de Vasconcelos pertencia àquela sociedade belga, da qual foi membro da comissão executiva entre 1912 e 1914. O livro teve várias traduções e os 28,5 pontos (no total de 30) atribuídos à sua escola o transformarão num “agente internacional” da Educação Nova. Parte para a América Latina, onde aporta em Outubro de 1915. Na permanência de Faria de Vasconcelos, primeiro em Cuba (1915-1917) e depois na Bolívia (1917-1920), sobressai a atividade do formador, do orientador e do organizador. Para aquela ilha tinha sido convidado pelo Ministro da Saúde e Beneficência com o propósito de lançar uma escola nova. Nomeado inspetor, organiza duas escolas novas, uma delas para crianças abandonadas. Em La Paz, já na Bolívia, organiza a secção de Psicologia e Pedagogia da Escola Normal Superior. Em Sucre, dão-lhe o cargo de diretor da Escola Normal: desenvolve então aqui o trabalho mais profícuo, introduzindo na formação de professores, na organização escolar e nos programas de ensino práticas pedagógicas e modalidades educativas caras à educação nova. Estão, entre elas, o self-government, os jardins-de-infância e os médicos escolares. Assegurou ainda a divulgação do novo sistema educativo no seio da classe docente, escrevendo artigos na Revista Pedagógica, publicação da Escola Normal de Sucre, e redigindo um Syllabus del curso de direccion y organizacion de las escuelas e uma Metodologia de las Ciencias Naturales. Regressa a Portugal nos anos 20, (anos durante as quais se) empenhando-se na promoção da educação popular, no contexto dos projetos de reforma da sociedade portuguesa sugeridos pelo grupo da Seara Nova. Participa em congressos cooperativistas e de educação popular, elabora com Alexandre Ferreira um projeto de “escolas municipais” e envolve-se em inúmeras iniciativas no campo da educação e do ensino. Esta atividade tem como ponto alto a sua participação no projeto de reforma do ensino, apresentado em 1923, pelo Ministro João Camoesas, referência simbólica desta geração de educadores.Embora mantendo-se ligado aos movimentos da educação popular e à Seara Nova, a partir de meados dos anos vinte, Faria de Vasconcelos vai concretizar, sobretudo, a sua vocação psicopedagógica, como professor da Escola Normal Superior, como diretor do Instituto de Orientação Profissional, cargo que ocupa desde 1925 até à sua morte, e como publicista com um importante conjunto de obras de divulgação científica. Em 1925, passa a dirigir a Revista Escolar.

Legal status

Arquivo público

Custodial history

Este arquivo particular foi transferido do extinto Instituto de Inovação Educacional para o extinto Instituto Histórico da Educação a título de depósito, conforme o protocolo assinado entre estes dois institutos, a 7 de Setembro de 2000. Aquando da extinção do Instituto Histórico da Educação (Lei n.º 16-A de 31 de maio de 2002), a salvaguarda e valorização do património da educação, nas vertentes bibliográfica, arquivística e museológica, transitaram para a competência da Secretaria-Geral do Ministério da Educação (Decreto-Lei n.º 208 de 17 de outubro de 2002), incluindo a documentação proveniente do extinto Instituto Histórico da Educação.

Acquisition information

Desconhecida.

Scope and content

Contém documentação produzida em contextos diversos, no decurso da sua atividade como pedagogo e escritor. A mesma integra correspondência, cadernos escolares, sebentas, recortes de imprensa, fotografias, palestras, notas manuscritas e material didático.

Access restrictions

Arquivo de livre acesso. Existe, no entanto, documentação sujeita a condições e a prazos de consulta, nos termos da Lei (Decreto-lei n.º 16/93 de 23 de janeiro: Regime geral de arquivos e do património arquivístico).

Language of the material

Português. Contém documentos em espanhol e em françês.

Physical characteristics and technical requirements

Razoável estado de conservação

Other finding aid

Inventário

Location

Edifício sede da Secretaria-Geral da Educação e Ciência, sala 1.13

Publication notes

BANDEIRA, Filomena - VASCONCELOS Cabral Azevedo, António Sena FARIA DE. In NÓVOA, António, dir. - Dicionário dos educadores portugueses. Lisboa: ASA, 2003. P. 1397-1404.